Quem sou eu

Minha foto
Nasci em 1980 e desde menina leio os poemas de minha mãe, Asor Vacholz (ela dizia que eles ganhavam vida com minha voz). Foi na adolescência(aos 15 anos) que descobri a grandeza de escrever o que eu sentia, pensava, sonhava e imaginava em forma de poesias. Escrevendo eu superei a minha conturbada adolescência, a minha solidão e meus momentos de tristezas. Parei de escrever aos 20 anos por falta de tempo, dividida entre faculdade,trabalho e casamento. Hoje já bacharelada em Administração e pós graduada em Controladoria parei de estudar e achei um tempinho para voltar a escrever. Conheci a poeta Milena Medeiros que me incentivou a publicar as poesias. Foi através dela que comecei a blogar. Agora estou aqui, fascinada, descobrindo este novo mundo que se descortina para mim. Sejam todos bem vindos, e se tiverem oportunidade visitem meu blog de artes http://livaarts.blogspot.com/

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Morte no asfalto

Eram 6 e meia da manhã quando sai para meu trabalho, acostumei-me a chegar atrasada 5 minutinhos, mas aquele seria um dia diferente.
O trânsito sempre carregado, estava totalmente parado. Foram quarenta minutos até ele começar a andar, meia hora depois eu cheguei ao motivo da lentidão.
Senti meu coração acelerado quando vi ao chão uma moto, era igual a do meu marido, logo pensei no pior, ele havia saido uma hora antes de mim.
Por duas vezes ele já se acidentou e só por milagre saiu sem ferimentos graves.
Cheguei mais próxima ao acidente. Vi com um misto de alívio e choque que era uma moça.
Estava deitada no asfalto frio, calça jeans justa, jaqueta preta, o rosto coberto por uma jaqueta preta, os homens da polícia parado com os braços cruzados, indicava que mais uma vida havia se perdido no trânsito da cidade.
Uma tristeza se abateu sobre mim. Senti vontade de chorar por ela e por todos motoqueiros que perderam suas vidas.
Estou de mãos atadas nada posso fazer para impedir essas mortes. Mas posso evitar a morte das pessoas que amo. Liguei para o meu marido, decidida a vender a moto, nenhuma economia nem de tempo nem de dinheiro vale uma vida.

4 comentários:

Simone :) CotidiAmo disse...

A frase final deste texto tem força e verdade. Belo texto Vania.

Adrian disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Adrian Mcoy disse...

Obrigado pelo comentário Vania! =D
Eu vi teu livro, mas percebi que naquela editora os preços ficam muito caros! Vc conhece a qual eu publico? www.clubedeautores.com.br
pelo canculo que fiz nesta eh 20% mais barato! Confira! =D Me add: adrian.mcoy@hotmail.com

Vania Vacholz disse...

Pois é Adrian, no meu livro aconteceu o contrário. Tentei puplicá-lo no Clube, mas o preço final foi para R$ 34,00 enquanto no Perse saiu por R$ 27,00.